: Da minha caixa das memórias [#2]


Eu fui das crianças mais tímidas que algum dia conheci. Não gostava de falar com ninguém desconhecido - mesmo que fossem outras crianças - e imaginar-me em actividades extra curriculares era sinónimo de imaginar o fim do mundo. Até que, influenciada por estar a aprender flauta ainda durante o 1º ciclo, aceitei ter aulas de música. Tinha oito anos e encontrei o meu lugar. Bebia as palavras do meu professor e nunca me queixei por não conseguir chegar lá e tocar tudo à primeira. Aprendi solfejo, aprendi a escrever as notas no quadro. Aprendi a ter paciência, a ser metódica e, essencialmente, a nunca desistir. Costas direitas, cotovelos levantados e dedos leves. Amei o meu primeiro órgão e apaixonei-me pelo segundo que me compraram: o mesmo que ainda me acompanha. Apaixonei-me pela música e quis ir aprendendo o maior número de instrumentos. Piano, acordeão, guitarra. Falta-me o violino. Quem sabe, um dia, o saxofone. Lembro-me, acima de tudo, que aquelas duas horas semanais eram as mais felizes que eu tinha. Ansiava por aquelas horas, por tocar num piano a sério, por ouvir o som maravilhoso que podemos produzir com as nossas mãos. Ria-me quando o meu professor me puxava as orelhas e me dizia que se eu deixasse de ser preguiçosa e treinasse viria a ser extraordinária. Dizia-me que se eu tocava assim sem treinar em casa, poderia chegar ainda mais longe com empenho. Quis ser música, mas as crianças levaram a melhor. Não me arrependo da minha escolha mas arrependo-me de ter deixado a música para trás, por circunstâncias da vida. Dei dez anos de mim à descoberta dos sons que existem e tornei-me tão melhor graças a isso. Hoje dou por mim a ouvir músicas que toquei já há tantos anos atrás e sinto uma nostalgia reconfortante. Vou ligar o órgão e ser novamente a menina que um dia quis entrar no conservatório. Quem sabe, no futuro, a minha macaquinha não venha a ter o mesmo amor por esta arte.

Comentários

  1. Aprendi a tocar orgão em pequena e adoro música apesar de já não tocar à imenso tempo :)

    ResponderEliminar
  2. Se gostaste realmente e te fez crescer enquanto pessoa foi algo muito bom e talvez um dia regresses à música (:

    ResponderEliminar
  3. Eu era mais ou menos assim, timida.

    ResponderEliminar
  4. Ainda deve ser mais difícil viver da música do que do ensino. Além do talento, é preciso muita sorte e bons "padrinhos" na área, para se ser alguém no mundo das artes.
    No mundo do ensino é só preciso ser masoquista. ahahahahah

    ResponderEliminar
  5. É tão bom voltar ao passado, ou pensar nele, e sentirmo-nos nostalgicamente bem!

    ResponderEliminar
  6. Embora não tenha aprendido a tocar nenhum instrumento (e pedi muito para o fazer), aprendi a cantar e é algo que adoro e faço constantemente. Também gostava de ter filhos inclinados para a música um dia :)

    ResponderEliminar
  7. De uma forma ou de outra, a música fará sempre parte da tua vida :)

    ResponderEliminar
  8. Esse amor pela música há-de acompanhar-te para sempre, por isso é que mesmo que estejas muito tempo sem tocar o voltarás a fazer. E quem sabe, talvez um dia essa paixão ganhe vida!

    r: Concordo :D

    ResponderEliminar
  9. As vezes só precisamos do sítio certo para conseguir deixarmo-nos levar. Adorei este texto, dá para sentir tanto o teu amor pela música. É sempre bom recordar :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  10. Por acaso nunca tentei tocar orgão, mas já meti os dedos num piano. Não era realmente a minha praia. Agora bateria... isso já me diz outra coisa!
    Hehe, beijinhos ♥

    ResponderEliminar
  11. Quando era criança também era hiper tímida! :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?