: Ao fim dos azares no amor.


Nunca achei que tivesse tido azar no amor. Tive uma má experiência, sim, mas não posso dizer que tenha tido azar no amor. Fiz más escolhas, tomei más decisões. Conheço, no entanto, duas pessoas que têm genuinamente azar no amor. Uma amiga minha que em duas relações se viu traída, um amigo do David que apesar de ser um bom rapaz não consegue encontrar alguém que lhe dê valor.

Tenho esta amiga há pouco mais de um ano mas vi-a sofrer mais nestes meses do que eu em toda a minha vida. Primeiro a distância provocada pelo Erasmus do (ex-) namorado, depois as discussões por ele estar semanas sem dizer nada. O golpe final foi dado durante as férias quando ele a traiu. Caiu-me tudo e fiquei sem saber como a confortar. Como se conforta alguém a quem foi arrancado o coração? Ela, apoiando-se em todos os amigos, foi buscar forças para se levantar e hoje começa a imaginar um futuro mais risonho.

Ele, colega do David, foi também traído pela namorada que tinha. É um cabeça no ar e está sempre a fazer comentários parvos - muito por causa do que lhe aconteceu no passado - mas, ainda assim, tem um coração de ouro e sei que tratará a futura namorada como uma rainha. Já fui à praia com ele e outros amigos e posso dizer que, mal me conhecendo, se preocupou comigo. Além de que se esforça ao máximo por se portar bem junto de mim. Dou por mim a pensar que ele ainda não deve ter procurado no sítio certo pela rapariga ideal. Ou então anda muito cego e ela já apareceu sem ele dar conta. Cabeça no ar como é provavelmente nem reparava. 

O David já me disse, várias vezes, que temos que juntar os dois. Até é um cenário que consigo imaginar. O rapaz calava-se com as bocas parvas e ela arranjava um rapaz que lhe dava valor a sério. Mas depois lembro-me que a única vez que fiz de cupido correu demasiado mal. Fui óptima a escolher o meu amor para a vida mas sou péssima a escolher o amor para os outros. Se espero que eles os dois encontrem a sua cara metade? Claro que sim. Bem que merecem!

Comentários

  1. Concordo com o David. Deviamos juntá-los. Não necessariamente 'obrigá-lo' a sair mas porque não os convidar para irem jantar com vocês? Ou algo menos óbvio para eles não sentirem pressão, como tu estares com ela em tua casa e o David chegar com o amigo :p

    ResponderEliminar
  2. O importante é que não deixem de acreditar no amor, porque um dia vão encontrar a pessoa certa!
    Estava a ler o texto e a pensar: bem que os dois se podiam conhecer :)

    ResponderEliminar
  3. O amor não se procura: encontra-se por aí, onde menos se espera.
    Os "arranjinhos", quando correm mal, podem arrastar consigo uma amizade. Ou duas... :/

    ResponderEliminar
  4. Tens que me apresentar esse amigo do David.

    Mas tendo em conta a última vez que fizeste de cupido comigo... tenho medo :/

    ResponderEliminar
  5. Acontece quando tem de acontecer, com empurrãozinho ou sem ele:)

    ResponderEliminar
  6. Bem, se não tentares não sabes. Pode ser que até se tornem grandes amigos, caso não dê para namorados.

    ResponderEliminar
  7. É tão triste situações destas... A traição é algo tão complicado de superar, e apoiar alguém cujo coração foi traído também não é uma tarefa nada fácil.
    Espero que eles consigam arranjar mais sorte no amor e que um dia sejam felizes

    ResponderEliminar
  8. Claudia, às vezes até pode ser sorte :)
    Quem sabe...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?