terça-feira, setembro 1

: Português Suave #3

#1   #2

Nunca mais o vi. Parece ironia do destino: brinquei com os sentimentos que habitam à flor da pele e acabei sozinha. Regresso todos os dias ao local onde o olhei pela última vez. Sento-me na relva e, por vezes, dou comigo a pensar que imaginei tudo aquilo que aconteceu. Talvez a minha necessidade de liberdade tenha criado ilusões. Talvez tenha criado a sensação de ter encontrado um oásis que eu deveria manter em segredo. Talvez esteja a ficar louca. Eu já não sou eu. Sou pedaços de história que já nem sei se aconteceram. Sou lembranças de momentos que se perderam naquele pôr-do-sol. Sou cigarros que nunca chegaram a sair do maço, que repousa no bolso das calças de ganga de alguém que não eu. Fecho os olhos. Não... Não pode ter sido imaginação. Como me lembraria dos sons, dos cheiros, do toque do seu braço encostado ao meu? Quem sabe ele tenha conhecido alguém mais interessante, mais simples de compreender. Ou talvez já tivesse alguém e eu não tenha passado de uma distracção momentânea. Não o posso condenar, afinal de contas eu fiz o mesmo. Guardo este segredo dentro de mim e pareço ferver. Nada me alegra, nada me conforta, nada faz sentido. Precisava dele, mais uma vez. Precisava das suas palavras, das suas histórias, da sua forma descontraída de encarar a vida. Talvez seja egoísta este meu pensamento: precisar de alguém. Depender dessa pessoa e obrigá-la a dar-me tudo, mesmo aquilo que não tem. Olho o céu, sem um única nuvem, e pergunto-me o que é feito de mim. A loucura parece ter-se instalado na minha mente e já nada me salvará. Estou prestes a ir embora quando sinto uma mão no ombro. Não preciso olhar para trás para saber quem é. Estou no nosso local, na nossa hora. Sorrio e, mesmo sem olhar para ele, sei que está a sorrir. Não sei o que o fez desaparecer durante estas semanas mas pareço ter esquecido tudo isso. Preciso dele. Sou egoísta, eu sei. Mas durante estas horas nada disso me importa.

10 comentários:

  1. Estes teus textos são sempre uma inspiração =)

    ResponderEliminar
  2. Talvez seja essa dose de loucura a fazer-nos viver tudo tão intensamente. Esse egoísmo calculado é necessário, porque é uma forma de preservarmos quem nos é tanto.
    Está brilhante, Cláudia, bem ao teu jeito *.*

    ResponderEliminar
  3. r: A minha vontade de ler algo dele já era grande, mas aumentava sempre que te via a falar dele. Fiquei rendida à escrita, à história daquele livro. Sabe mesmo captar a nossa atenção. Mal posso esperar pelo próximo :)

    ResponderEliminar
  4. Bonito texto! Lembrei-me de quando fumava!

    bJXXX

    ResponderEliminar
  5. r: obrigada querida, bom mês para ti também :)

    ResponderEliminar
  6. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://www.morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderEliminar

À noite gosto de contar as estrelas que estão no céu e de ver por onde anda a Lua. E tu do que gostas?