domingo, janeiro 31

: Através da lente #Janeiro

Tal como vos falei no início deste mês fui, ao longo das últimas semanas, captando algumas imagens dos locais pelos quais fui passando. Foquei-me, essencialmente, na natureza e nas várias mudanças que nela fui encontrando. Ora um arco-íris duplo, ora as folhas que me caíam aos pés. Foquei-me na luz do sol ignorando o cinzento típico do inverno. Foquei-me na beleza das flores que não nos abandonam mesmo que não seja Primavera. Foquei-me no lado positivo da vida.


sábado, janeiro 30

: Shuffle #Janeiro


Janeiro foi um mês de algumas descobertas musicais e de muitas (re)descobertas de cantores/bandas que eu ouvia há bastantes anos atrás. Foi uma mistura equilibrada entre recordar o passado e descobrir-me no presente. Foi, acima de tudo, um mês em que percebi que certas músicas já não estão ligadas a pessoas que conheci no passado. Estão livres de memórias e posso ouvi-las, novamente, sem nenhuma nuvem de negatividade. Foi um bom mês!

Aqui fica o meu primeiro top dez:











quarta-feira, janeiro 27

: Estranho ser.

Fotografia presente no meu instagram

Não sou daquelas pessoas que gosta mais do dia ou da noite. Gosto das transições: da noite tornar-se dia - mil novas oportunidades que ali começam. E do dia a dar lugar à noite - um momento de reflexão de todos os passos que dei. Gosto destes meios termos que nos fazem parar e apreciar o que nos rodeia. Que nos fazem pensar e crescer. Melhorar. Gostos desses momentos breves. Porque, por vezes, a beleza está na brevidade das coisas.

terça-feira, janeiro 26

: Mais de 1000 razões para ser feliz #10

Novembro 2015

Ganhar tempo, admirando os pormenores da Natureza.

Desafio encontrado no blogue da Mariana - Colibri

segunda-feira, janeiro 25

: Cá em casa há regras...


... mas não são daquelas chatas!

Já há muitos anos que dizia que gostaria de vir a ter, na minha casa, pelo menos um mural para dar um toque diferente às paredes. Eis que, sem querer, descobri a viart e perdi-me de amores. Percorri todas as categorias e - com a ajuda do David - escolhi o vinil que acabou por ser a minha prenda de Natal e de aniversário. 

Fotografia presente no meu instagram

Só vos posso falar bem do serviço da viart. Não só a entrega foi bastante rápida - tendo em conta que fizemos o pedido na altura das festas de final de ano - como o vinil vinha bem acomodado e com instruções bastante claras de como se colocava.

Cerca de quarenta minutos foi o que precisámos para aplicar o vinil na parede, com os mil cuidados necessários. E não podia ter ficado mais feliz com o resultado final. Agora todos os que entrarem na nossa casa poderão saber quais são as nossas regras e já ninguém tem desculpa para se portar mal!!

Fotografia presente no meu instagram

domingo, janeiro 24

: A janela do 3º direito.


Debrucei-me na varanda, de olhos postos nas pessoas que passeavam pela rua, naquele dia cheio de sol. Algumas, sôfregas, furavam por entre a multidão tentando ultrapassar as filas que se formavam junto às montras das lojas. Outras, calmas, aproveitavam para ver tudo ao pormenor. As apressadas suspiravam alto, num som que viajava até à minha janela. As mais calmas acabavam por se afastar sem perceber o porquê de tanta ânsia. E eu, tantos metros acima, perdia-me a olhar para as inúmeras pessoas imaginando as suas vidas; os seus pensamentos. Até que te vi. De cabelo ruivo, captaste a minha atenção assim que entraste no meu campo de visão. Não caminhavas apressado mas também não te perdias a ver o mais ínfimo pormenor. O teu passo era certo e ponderado. Avançavas com a segurança de quem confia na pessoa que é. Viravas cabeças - talvez pelo mesmo motivo pelo qual captaste a minha atenção - mas nem te apercebias tal era a tua abstracção perante o que te rodeava. E eu, durante todo o percurso que a minha vista alcançou, não consegui deixar de olhar para ti. Não te vi a cara, mas também não era preciso. Senti uma confiança estranha, do alto do meu terceiro andar: algo em mim dizia que te voltaria a ver. E, quem sabe, da próxima vez até olhasses para cima. Os contos de fada também podem acontecer na vida real, certo?!


#fictício 
#histórias de bolso

sábado, janeiro 23

: Não sou passado. Não sou futuro...


... Sou presente!

Estes últimos meses trouxeram-me muitos momentos de alegria. Alguns pequenos, momentâneos. Outros que vivo diariamente. Agrada-me olhar para trás e ver que estou de bem com a vida, que estou a realizar objectivos - mesmo que nunca os tenha anotado em lugar algum. Dá-me gosto pensar na minha vida há um ano atrás e perceber que tanto mudou. E tudo para melhor. Superei-me. Aprendi - ainda mais - a agarrar-me aos pequenos momentos. A um sorriso, a um abraço. Até a uma simples palavra, que me seja dirigida por alguém que eu não esperava. Aprendi a dar mais de mim. E tornei-me uma pessoa minimamente social. Ainda gosto de estar na minha concha, de não ser incomodada. Mas sei sair dela sem temer estragar tudo. Voltei a ser aquela menina de treze anos que, sem motivo algum, saltou para uma poça e molhou as calças até ao joelho. Soltei-me. E assim que o fiz as coisas más deixaram de fazer sentido. 

quinta-feira, janeiro 21

: Mais de 1000 razões para ser feliz #9

Novembro 2015

Acordar cedo mas ser brindada com esta maravilhosa visão!

Desafio encontrado no blogue da Mariana - Colibri

terça-feira, janeiro 19

: É desta que eu compro um violino!!


Há um único instrumento que eu ainda quero aprender: violino.
Ouvir isto só me dá mais vontade!!

domingo, janeiro 17

: Mais de 1000 razões para ser feliz #8

Dezembro 2015

Entrar por aquela porta de madeira e sentir-me em casa.
Lar doce lar!

Desafio encontrado no blogue da Mariana - Colibri

sexta-feira, janeiro 15

: Nas profundezas dos olhos azul-água


Prometeste-me vida - para além da morte.
Prometeste-te amor - para além do ódio.
Mas, num estalar de dedos, conseguiste apenas destruir a réstia de esperança que se acendia no meu peito, iluminando um futuro que tinha tudo para ser brilhante.
Nesse estalar de dedos levaste contigo as promessas, os toques, os beijos, os sentimentos que pusemos a nu. Que apenas eu pus a nu, começo agora a crer.
Prometeste-me sorrisos - para além de todas as lágrimas.
Prometeste-me sonhos - para além de toda a realidade.
E agora, que acordo deste coma em que me induziste, vejo que desapareceste levando o meu coração contigo. Acordo e percebo que não só nunca vivi o nosso sonho como me deixaste no meio do meu pior pesadelo. Abandonada à minha sorte; À mercê dos meus pensamentos dilacerantes. Foste sem olhar para trás. Sem um adeus. Um aceno...
Prometeste-me o teu amor - mas morri antes de te poder amar.
#Fictício

segunda-feira, janeiro 11

: Mais de 1000 razões para ser feliz #7

Natal 2015 - Os meus pais, Nós e o Pantufa (a.k.a. bebé da família)

Passagem de Ano 2015 - Nós, Sogros e Cunhada

Ter uma família pequena, mas unida.

Desafio encontrado no blogue da Mariana - Colibri

sábado, janeiro 9

: E eu só queria uma companhia felina...


Adoro animais. Não todos - que há alguns dos quais não me consigo aproximar - mas, no geral, adoro animais e derreto-me toda. Entre os meus animais de eleição estão, sem dúvida, os gatos. Gosto do lado independente deles, da agilidade típica da sua espécie, da forma graciosa como caminham. O sonho de vir a ter um morreu, por completo, quando descobri que sou alérgica ao pêlo deles. Se isso é uma coisa mínima? Poderia ser. Mas a verdade é que sofro horrores com as minhas alergias. Lá vou eu ter que continuar a admirar os gatos... nas casas dos outros!

quinta-feira, janeiro 7

: Fantasmas.


De cada vez que olhas para mim tens esse olhar triste que me sufoca. Como se o que está partido em mim não pudesse ser consertado. Como se eu fosse um ser frágil, com um corpo feito de lágrimas. Olhas para mim e não consegues ver mais do que o coração partido e a alma estilhaçada. Pousas a mão no meu ombro e esperas sentir o calor de um amor que ainda não consigo sentir. Dá-me tempo. Espaço. Amizade. É disso que preciso agora, sem cordas que me prendam a locais, a pessoas. Quero momentos que me dêem motivos para sorrir. Quero planos que me façam sair da cama. Dispenso esse teu olhar triste, vazio. Dispenso os teus abraços dados por pena, ansioso para que eu retribua o sentimento que julgas precisar. Os meus sentimentos estão perdidos por aí e sozinha não conseguirei encontrá-los. Ajuda-me a afastar os fanstamas do passado e a apagá-los da minha memória. É só isso que preciso. Depois de tudo isso conseguirei, finalmente, amar-te.

#Fictício

terça-feira, janeiro 5

: Recados à Macaquinha [17]


Meu amor, ainda não passas de um plano futuro e já não faltam candidatos ao lugar de teus padrinhos. Há quem opine que os padrinhos devem ser da família - alegando que assim é mais difícil que as pessoas desapareçam da nossa vida - mas com o passar dos anos irás perceber que não são os laços familiares que unem as pessoas. É a vontade de partilhar a nossa vida com elas. Quero escolher-te padrinhos que te conheçam como a palma da sua mão e que te amem quase tanto como nós, teus pais. Que queiram saber sempre de ti e que nos cobrem os dias sem notícias. Que te levem a passear quando fores pequena mas que também te saibam aconselhar quando fores mais velha. Quero que sejam alguém em quem possas confiar, seja qual for o assunto. Acima de tudo alguém a quem eu possa confiar o meu bem mais precioso, tu. Não quero que sejam teus pais, longe disso, mas espero deles um amor puro, por ti. Sem esperarem nada em troca. Quero vê-los de olhos a brilhar apenas com o teu sorriso. Talvez esteja a ser precipitada e exigente. Talvez não consiga escolher ninguém. Mas se, algum dia, alguém te chamar afilhada então é porque essa pessoa nunca te irá falhar.

domingo, janeiro 3

Amo-te, sem porquês nem quês.

Gostava de conseguir escrever-te poesia. Dedicar-te palavras embonecadas por este amor que sinto. Mas em vez disso escrevo-te, dia após dia, em prosa. Frases nuas e cruas, de sentimento directo. Não consigo escrever-te em metáforas ou com todos os cuidados que um poeta deve ter. Sou bruta e escrevo como quero. Por vezes sem vírgulas até. Mas sempre com pontos finais, para que um novo parágrafo possa ser escrito. Não imaginas o quanto eu gostava de te poder ler a minha poesia, junto à lareira. Sonhos românticos, bem sei. É esta minha urgência em te amar que me faz ignorar a métrica das frases. Faz-me temer o tempo que perco nas rimas. No fundo só queria ser tomântica. Brindar-te com palavras ponderadas e sérias. Mas só consigo mostrar-te que o meu amor mal me cabe no peito, espreitando por todos os meus poros. É isso que me faz acordar e perceber que o meu amor por ti já é do tamanho do nosso pequeno grande mundo. Amo-te no agora, sem demoras. Amo-te sem manias. Amo-te, simplesmente. E não há maior forma de amar.

sexta-feira, janeiro 1

: Novo ano, novos olhares.


Disse-vos, há uns dias atrás, que estava a descobrir novos caminhos e a habituar-me a novas rotinas. E que melhor maneira de tornar isso mais interessante senão com o auxílio de uma grande paixão, a fotografia? Irei tentar, ao longo deste novo ano, captar diariamente novos pormenores dos locais por onde passo. Todos os meses colocarei aqui as minhas fotografias preferidas e assim poderão ver aquilo que eu vejo. Que bela maneira de começar o ano, com um desafio!

Tenham um excelente ano!